Arquivo Mensal: fevereiro 2018

0

Nepotismo e falta de transparência com uso de verba pública. O que os documentos revelam sobre o novo presidente do COB

É uma história de nepotismo e falta de transparência no uso da verba pública.
Empregou irmão e filho. Teve contratos milionários com empresa de diretor da própria entidade ao arrepio da lei que impede tal prática. Contrato com empresa denunciada por fraude em licitação. Irmão participando do processo da escolha de prestora. Gastos com escritório longe da sede e na cidade de domicílio.
Foram 15 anos no comando da Confederação Brasileira de Judô (CBJ).

Leia mais ->.
0

Uma foto que devia parar o Brasil (se fosse no Leblon…)

Para tudo.
Não é possível seguir normalmente depois da foto da capa do Globo de hoje.
Ninguém precisa dizer que isso acontece todos os dias nas favelas e periferias do Brasil.
Mas se nem indo pra capa do Globo causa comoção, nossa barbárie passou de todos os limites.
A mulher, negra, favelada, está na Cidade de Deus. O Exército faz uma blitz. O soldado revista esta mulher diante do choro do bebê de colo que está no carrinho vendo a provavelmente mãe passar por isso. As mãos do soldado passam sobre as partes íntimas da mulher. Que está ali, apenas exercendo seu direito de ir e vir.
Falar mais o que? Precisa de síntese maior de nossos dias?
Não precisa ser de esquerda ou direita para ficar estupefato. Basta ser humano.
São quase nove horas da manhã. De uma manhã emendada em noite de trabalho. Mas não deu pra dormir ainda sem escrever algumas linhas sobre essa foto. As horas emendadas não permitem maiores viagens teóricas. E nem a situação da foto.
Sabe-se apenas que é uma mulher negra, favelada, mãe, apalpada, tomando uma revista que nem poderia ser feita por um homem.
É assim que vamos resolver isso?

Leia mais ->.
5

O Brasil investir dinheiro público em Jogos de Inverno é uma imensa aberração

A imagem não sai da cabeça. A redação estava lotada e com o barulho peculiar de feira livre como eram as redações. Era o fim de uma época, já que a década seguinte aprofundou e sacralizou o modelo de redações em silêncio sepulcral, frias como uma câmara frigorífica do IML, amorfa, asséptica, cada dia mais parecendo um escritório repleto de almofadinhas e povoada tal e qual a sala de espera de uma agência de modelos e tendo esse único critério de seleção. Feita a irresistível digressão, voltemos para aquele dia de 2006.

Leia mais ->.
7

O que o dedo médio de Temer diz sobre a tragédia da imprensa brasileira

Imagine Donald Trump caminhando em um domingo qualquer e suando as madeixas grotescamente acaju. Cercado de seguranças e do presidente do congresso americano, além de dois ministros. O presidente da câmara, por sua vez, acompanhado da filhinha de uns 10 anos de idade. No meio da caminhada, alguns manifestantes conseguem se aproximar um pouco mais e chamam o presidente de “bandido”, “ladrão” e “golpista”.

Leia mais ->.