Categoria: Reportagem

3

Funcionário concorria contra a própria empresa em licitação da CBV

O “Relatório de Inteligência Financeira (RIF)-15458” do COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) ilumina o caminho que o dinheiro percorria depois de deixar as fontes públicas (Banco do Brasil e Ministério do Esporte), passar pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) e chegar até a S4G, empresa de Fábio Azevedo, braço direito de Ary Graça. E revela personagens com multifunções nessa teia. Como Jorge Roberto Miranda, da SMiranda Eventos e suas diferentes vidas, vividas ao mesmo tempo.

Leia mais ->.
0

Exclusivo: Dinheiro público entrava na CBV, ia até empresa de braço direito e era sacado em espécie ou “transferências sem justificativa”

O modus operandi por trás do caminho de dinheiro público recebido pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) na gestão de Ary Graça, patrocinada pelo Banco do Brasil e também beneficiária de milhões em convênios com o Ministério do Esporte. Como escoava depois de sair da CBV e ir para a S4G, empresa do braço direito do dirigente e para quem ia. É o que está no “Relatório de Inteligência Financeira” (RIF), feito pelo COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), órgão da Receita Federal. O Raio-X aponta para vultosos e seguidos saques em espécie, além de transferências para terceiros sem justificativa. Que eram empresas de parentes e pessoas ligadas a entidade. Entre outros “indícios de atipicidade nas transações”.

Leia mais ->.
2

Jacob Barata: de Rei dos Ônibus no Rio a Imperador no reino de Nuzman

Jacob Barata, o “Rei dos Ônibus”, é também um monarca no reino olímpico de Carlos Arthur Nuzman. As digitais do conhecido e polêmico empresário e família estão em contratos de alto valor do Comitê Rio 2016 (CoRio). Três diferentes empresas do mesmo grupo foram utilizadas para assinatura de dez contratos ou adendos como fornecedores. Uma delas aberta dois meses antes da assinatura do contrato. Os objetos são bastante parecidos em alguns distintos acordos. Barata, número um dos negócios de transportes no Rio de Janeiro está citado na colaboração premiada de Jonas Lopes de Carvalho Júnior a qual a reportagem teve acesso e que deu origem a “Operação Quinto do Ouro”.

Leia mais ->.
7

Delação: Cabral pediu desconto ao TCE na propina paga por “amigo muito próximo”

Provavelmente é algo inédito no submundo do crime organizado. Depois de superar diversos recordes no mundo da corrupção, o ex-governador Sérgio Cabral, preso em Bangu 8, inaugurou outra modalidade até então desconhecida: pechinchou para que a propina paga por um membro do seu esquema tivesse um abatimento. Assim, o percentual que Marco Antônio de Luca, da empresa de alimentação Masan, pagava aos membros do Tribunal de Contas do Estado (TCE), caiu dos 15% relativos aos recebimentos dos contratos na área da atuação dela para 12%. A alegação para tal pedido foi definitiva quando Cabral afirmou “ter um amigo muito próximo que estaria no esquema da alimentação”.

Leia mais ->.
0

Empresa de vereador que está na lista da Odebrecht avaliou terreno do Museu do Índio

Quando a caixa-preta da famosa “Lista da Odebrecht” for finalmente aberta nos próximos dias, alguns personagens relacionados com a entrega do Maracanã para a empreiteira serão revelados. Muito além das já conhecidas presenças de “Proximus” e “Nervosinho”. A ação conjunta de Sérgio Cabral Filho e Eduardo Paes, titulares das alcunhas, envolveu uma série de medidas simultâneas para proporcionar a entrega a custo zero para a empresa. Como a construção de passarelas no entorno para os vips da Fifa pela prefeitura, agora inúteis. E a compra do Museu do Índio pelo governo estadual, que tem a participação de mais um presente na tão temida relação: o vereador Alexandre Arraes (PSDB-RJ).

Leia mais ->.
0

Doleiro de Cabral era assessor no gabinete da presidência do Tribunal de Contas do Estado

O doleiro mais atuante de Sérgio Cabral Filho estava no coração do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Renato Hasson Chebar, que operava para o ex-governador desde 2002, tinha cargo comissionado no órgão que fiscaliza as contas e em 1º de junho de 2007 foi nomeado assistente no gabinete da presidência, então exercida por José Maurício Nolasco, (de 2007 a 2010) investigado na Operação Lava-Jato por recebimento de propina na obra de reforma do Maracanã. Exatos dois meses depois da nomeação no gabinete de Nolasco, no dia 2 de agosto, Renato Chebar abriu, em parceria com o irmão Marcelo, a offshore Waderbridge Development no paraíso fiscal do Panamá. A teia de relações dos irmãos Chebar atravessou o centro do mercado financeiro brasileiro, chegando até a sociedade com dirigentes do esporte brasileiro.

Leia mais ->.
5

Com dinheiro público, judô paga o dobro por tatames a doador de campanha política

Foram mais de cinco milhões de reais gastos na compra de 8.575 placas de tatames em dois anos. Dinheiro público, vindo de convênios com o Ministério do Esporte. Poderia ter sido pela metade do preço. Mas em vez de se valer da lei a que tinha direito e obter isenção de impostos, a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) escolheu comprar através de uma empresa que é também doadora na campanha de políticos ligados a entidade e ao ministério.

Leia mais ->.