O novo-riquismo cafona de Cabral e Paes chegou até a praia

29 Resultados

  1. Lúcio, e o champagne na Barraca do Agnaldo com croissant de peito de Peru com catupiry!?

  2. Euro disse:

    Lucio, sou estudante de jornalismo, minha inspiração é você, poderia conversar com você? Seria uma honra!

  3. Helio Griner disse:

    Salve todos os barraqueiros desses muitos anos de praia.
    Agnaldo,chico,severino,pelé,lourdes,jacaré,marisa e o marido,silvo . ..
    Anjos da guarda de todos nós, frequentadores das areias cariocas.
    Grande texto,parabéns Lucio de Castro.

  4. Lucas Coutinho disse:

    Texto incrível, Lúcio! Se um dia reunir coragem para largar o direito para me arvorar no jornalismo, quererei ser como você.

  5. Alberto disse:

    Caraca! Vísceral esse texto!!

  6. Vinicius disse:

    João do Rio Moderno!

    Lucio de Castro p Academia Brasileira de Letras! E esse Sarney que não pega um gripe p abrir a vaga.

  7. Vera disse:

    Belo texto!!!!

  8. Fernando disse:

    Sabe tudo.
    Está dito.
    Santos Dumont

  9. Igor Oliveira disse:

    Grande texto, Lúcio. Esse processo de gourmetização do Rio só parece aumentar a cada dia. Parabéns pelo trabalho!

  10. Leonardo disse:

    Parabéns pelo site e pelo texto.
    A internet e o excesso de informação – que fez comum a todos comprarem quaisquer notícias e “furos” planejados – também tem o potencial de ser o espaço onde o patrão não manda na opinião e, muito menos, na notícia.
    Siga contribuindo. O jornalismo respira!

  11. Gregório Silva disse:

    Inenarrável. Não tem os grandes textos. Paute-se por um público qualitativo… parabéns

  12. Beto disse:

    Que tristeza Lucio. O pior é que esses caras são tão ignorantes que realmente acham que estão fazendo algo melhor. E se surpreendem quando sai tiro em frente aos seus oasis. Eles nunca se misturaram, nunca ouviram. São uns cagões metidos a empreendedores. Saudades do Rogério e do Baixinho

  13. tales disse:

    Mesmo não concordando com boa parte do que você pensa, me deliciei com esse texto, Lúcio. Claro que está maravilhosamente escrito (como sempre), mas o que me chamou a atenção de fato é que consegui sentir seu inconformismo, sua resignação com os rumos que tomaram a cidade que você tanto ama. As histórias contadas são deliciosamente tragicômicas.
    Tenho 28 anos e me lembro de verões passados no Rio na infância/adolescência, do deslumbre com a beleza e singularidade da cidade e ao mesmo tempo dos inúmeros perrengues passados por conta dos problemas já conhecidos da cidade maravilhosa. Faz anos que não a visito, mas pelo jeito, a sua tão amada cidade só preservou a parte ruim das minhas lembranças. Acho que não volto tão cedo.
    Continue o excelente trabalho. Um abraço

  14. Andrei disse:

    Excelente, Lucio!!
    Abs

  15. Pop disse:

    Lúcio,

    Mais uma vez parabéns! Sempre nos brindando com seu texto e seu jornalismo sério!

    Sou teu fã!

  16. Lippo Cavalcanti disse:

    Bravo, Lúcio de Castro!

  17. Salve amigo Lúcio e seu tom tão brasileiro,tenho um enorme orgulho de dizer que sou sua amiga
    beijos e obrigada e luta que segue

  18. José Carlos Sucupira disse:

    Maravilha de crônica sobre a neo cafonice inspirada talvez no Conde Chiquinho Scarpa da paulistéia.
    Um prazer lê lo caro Lúcio.

  19. Deyse disse:

    Texto maravilhoso, como sempre.

  20. Guilherme disse:

    Realmente eh difícil ver essa turma tomando o Rio de assalto . Eh a elitizacao da cafinice . Tenho pena de quem não conheceu e vai achar isso aí tão legal q parece Miami . Saudade do baixinho do posto 11 ! Ótimo texto. PS Sem falar no Maracana….Ah o Maracana…

  21. Filipe disse:

    Essa cafonice já atinge a minha querida salvador \ Bahia.
    No carnaval, o prefeitinho, ordena apenas uma marca de cerveja nos circuitos. Total exclusão do povo baiano. do carnaval de rua pouco restou.

  22. Patricio Gadano disse:

    Desde a tua saída da ESPN que não sabia nada ao seu respeito. Acompanhava teus ” Lúcidos” comentários e, agora te reencontro neste texto tão claro quanto doloroso. Um abraço fraterno.

  23. Luisa disse:

    O mais divertido da praia é ir nas barracas e comprar os lanches dos ambulantes. Deus me livre dessa cafonice de área vip.

  24. Maria Auxiliadora de Abreu disse:

    Sou tua fã desde a ESPN. Perfeito texto Lucio de Castro. Acompanhei a descaracterização” geral e irrestrita” de um dos lugares mais lindos do mundo: Florianópolis. A necessidade de ostentar a burrice é marca registrada dos novos ricos.

  25. Haroldo Simoes disse:

    Muito bom! Sou seu leitor e admirador do seu texto primoroso. Eles querem mesmo criar uma república de almofadinhas sem noção e patricinhas deslumbradas, com a cumplicidade da tal “imprensa de cócoras”.

  26. Mariza disse:

    Falou tudo!!!
    Sem mais!!!!

  27. Marcelo Cabral disse:

    Caro Lucio,
    O Rio precisa de jornalista como você, mas infelizmente, no “Brazil” o jornalista é a voz do patrão… Tolos, escravisados pela casa grande.
    Força Lucio!

  28. Ana Helena disse:

    Esta reflexão é um tapa para quem sempre acreditou na praia como o local de exercício da tolerância, da convivência e da cordialidade, como nos ensinou Roberto DaMatta. Estes novos-ricos cevados nas tetas públicas transformam o Rio nesta imensa Miami cafona. Você disse tudo, mais q isso, desconstruiu o mito do espaço da saudável convivência entre tribos diversas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.