E por falar em saudade: Zico

Você pode gostar...

15 Resultados

  1. Vagner disse:

    Lucio, um dos meus “arrependimentos” na vida foi não ter nascido dez anos antes…tinha só um ano em 81, mas eu percebo uma coisa conversando com meu pai: se houver um “ranking” de alegria dos eventos que ocorreram nesses 36 dias, provavelmente o mundial ficaria em quarto. Para ele, o 6×0 ficaria em primeiro, o carioca (com aquele gol espetacular do Nunes) em segundo e a Liberta em terceiro. Qual seria a sua ordem?

  2. Celso disse:

    Belo depoimento!! Onde será o lançamento? Aberto ao público? E quando você vai nos presentear escrevendo um livro?!

  3. José Valentim dos Santos Filho disse:

    Impecável!

  4. Guilherme Gomes disse:

    Lucio, no livro relata o número de gols de falta do Zico? Sempre procurei essa informação e nunca encontrei uma fonte confiável.

  5. Rafael disse:

    Zicão até hoje emociona

  6. Paulo Sales disse:

    Belo texto, Lucio.
    Mais do que um ídolo, Zico foi uma espécie de elo que me uniu ainda mais a meu pai durante a infância, assim como Romário me uniria a ele na idade adulta. Zico passou, o Flamengo imbatível passou e meu pai não está mais aqui para me abraçar quando nosso time ganha. O que fazer? O tempo passa, as reminiscências ficam, e temos que nos contentar com elas.
    Vida longa à Sportlight.

  7. ricardo de souza ledier disse:

    em 1978, na E.E. José Alvim de Atibaia, lembro as tardes antes das aulas do vespertino. Duas árvores de cada lado do pátio eram os gols, meu amigo Sidnei Gritti era Zico que imitava até no corte de cabelo e físico franzino, eu era Cerezo pelas pernas tortas pra dentro. E a galera em volta gritava: “Zico! Zico! Zico!”

  8. Domingos Fonseca disse:

    Só gostaria de comentar que Zico é Flamengo de corpo e alma, o que todo mundo sabe, mas posso testemunhar que ele transcende o Flamengo e o próprio Futebol. Vi várias vezes, como vascaíno que sou, torcendo contra. Mas nunca deixei de admirar o craque, o homem pelas atitudes. Comparação só com Messi, que quando arranca com a bola dominada me lembra o Zico. Além

  9. Norton D C Bentes disse:

    Lucio, meu caro, mas uma vez não segurei as lágrimas. Falar de ZICO, relembrar alguns detalhes que, na maior parte do tempo, escondemos na sala escura da memória, pois de outra maneira não conseguiríamos continuar com o nosso dia a dia. Então vem você de maneira maravilhosamente infame trazer à tona as lembranças de meu amado, e infelizmente pouco aproveitado, PAI, das tardes de domingo com a família, com as brincadeiras, com a inocência, até mesmo as brigas, que logo eram resolvidas, enfim detalhes que parecem insignificantes, mas que você com esta forma ímpar de escrever nos transporta de volta no tempo e cura algumas feridas. Me empolguei!! Mas com você é o culpado. Obrigado e continue escrevendo essas maravilhas.

  10. Chico W disse:

    Quando entrevistei Zico pela primeira vez, travei. Ele riu, me tranquilizou e deu tudo certo na matéria. Na segunda, busquei meu irmão mais novo na escola, escondido, e levei-o comigo. Bateram bola juntos, o moleque nunca esqueceu.
    Armando Nogueira escreveu que Zico “driblava triscando a grama”, pra mim a mais perfeita tradução do estilo único do Galo. Disse também o cronista que “a bola é uma flor que nasce nos pés de Zico com cheiro de gol”. Pois era mesmo.
    A música do Moraes enche meus olhos d’Água sempre que escuto. Minhas tardes de domingo também nunca mais foram as mesmas, camarada. Mas vivemos intensamente, né?!
    Forte abraço.
    Chico

  11. marcelo costa disse:

    Lúcio que texto, me fez chegar as lágrimas. Lúcio, eu te amo cara. Sensacional.

  12. Fábio Bentes disse:

    Não vi o galo no auge, reinando no maracanã, apenas vaga lembrança de 87 e depois no Japão. Mas os olhos do meu pai brilhando ao falar de 81 e 82 (seleção brasileira) me fazem ter uma idéia do tamanho e importância do gigante Zico.

  13. Emagnor Tessinari disse:

    Lúcio, esta é primeira vez que posto um comentário na Internet, e achei que nunca o faria, mas seu texto me motivou. Em 81 eu tinha 11 anos. Morava em SP. A final do Mundial começou à meia noite. Foi a primeira vez que meus pais deixavam eu ficar acordado tão tarde. Soltamos vários rojões no meio de Alto de Pinheiros… Foi o momento mais feliz da minha vida… Não tem como descrever Zico. Todo jogo era um espetáculo dele. Romário e Ronaldo no auge chegaram perto, mas nunca transmitiram a mesma emoção de vê-lo jogar. Estive presente em vários jogos dele no Maracanã, no Morumbi, na Fonte Nova… Era diferente. Zico era diferente. Difícil explicar, mas seu texto é brilhante e chega muito perto. Parabéns!

  14. Obrigado pelo toque, Lucio.

    Espero conhecer o Zico desde pequeno, terei recém completado 37 anos, meu filho nasceu agora 14 de fevereiro e obviamente seu nome não poderia ser outro: Arthur!

    Estarei na Gávea dia 30. Obrigado!

  15. Gutemberg disse:

    Zico sempre,sinônimo de arte,de talento inigualável e inesquecível!!
    O Melhor entre os melhores!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.